Edessa cerradensis,

Ely e Silva, Eduardo J., Fernandes, José A. M. & Grazia, Jocélia, 2006, Caracterização do grupo Edessa rufomarginata e descrição de sete novas espécies (Heteroptera, Pentatomidae, Edessinae), Iheringia, Sér. Zool. 96 (3), pp. 345-362: 354

publication ID

http://doi.org/ 10.1590/S0073-47212006000300012

persistent identifier

http://treatment.plazi.org/id/03E687C2-4A2A-FF8E-FEC7-6765FA81066D

treatment provided by

Valdenar

scientific name

Edessa cerradensis
status

sp. nov.

Edessa cerradensis  sp. nov.

( Figs. 11View Figs, 23View Figs, 49View Figs, 56View Figs)

Etimologia. Epíteto alusivo ao Cerrado, uma das regiões de procedência dos exemplares.

Descrição. Comprimento 21,4-22,4; largura 12,0-13,2, corpolevemente ovalado ( Fig. 11View Figs). Coloração geralverdeclara. Cabeça pontuada; jugas com pequenos sulcos transversais, arredondadas e curvadas ventralmente no ápice. Tubérculos anteníferos com dente vestigial; antenômeros 1 a 5 em ordem crescente de comprimento. Rostro atingindo a primeira bifurcação do processo do metasterno; primeiro segmento do rostro tão longo quanto as búculas; segundo segmento menor que o terceiro e quarto reunidos; búculas paralelas. Pronoto rugoso, pontuado, brilhante, ângulos ântero-laterais com umpequeno dente. Margens ântero-laterais retas, íntegras e levemente emarginadas. Ângulos umerais nãodesenvolvidos. Cicatrizes do pronoto subcalosas e nãopontuadas. Escutelo brilhante, com ápice levemente acuminado, pontuação mais fina que o pronoto. Cório fosco, com pontuação mais fina e densa que o resto do corpo eveias sem diferençade coloração; margemcostal do cório com pontuação clara igual à do pronoto. Membrana do hemiélitro descolorida, brilhante e transparente. Superfície ventral do pronoto pontuada. Mesosterno pontuado, com uma carena mediana baixa que avançaaté as coxas anteriores. Processo metasternal mais longo que largo, achatado, liso e glabro; bifurcação anterior do processo metasternal divergente, com os ápices evanescentes, atingindo o terço posterior do mesosterno e acomodando o quarto segmento do rostro. Área evaporatória rugosa, fosca e com a mesma cor da face ventral; peritrema ostiolar atingindo metade da largura da metapleura. Conexivo com a pontuação fina e escura. Ângulos póstero-laterais do conexivo e posteriores do sétimo segmento pouco desenvolvidos e agudos. Face dorsal do abdome castanho-clara; superfície ventral rugosa e com pontuação grosseira. Tricobótrios: um na mesma linha dos espiráculos e outro externo.

Genitália do macho ( Fig. 23View Figs). Pigóforo retangular em vista dorsal; abertura dorso-posterior, ângulos póstero-laterais arredondados; superfícieventral ( Fig. 56View Figs) não-sulcada, com pontuações esparsas e um par de elevações próximas ao bordo ventral; bordo ventral com recorte central em “u” fechado. Interior do pigóforo com 1+1 escavações profundas na parede ventral da taça genital. Parâmeros com cabeça mais pé geniculados, direcionados para a região anterior; cabeça com a extremidade anterior arredondada; face ântero-lateral dos parâmeros escura, com texturadiferenciada e voltadapara o processo da taça genital. Processos da taça genital sinuosos, castanho-escuros, brilhantes e lisos, situados junto ao bordo dorsal do pigóforo. Décimo segmento cilíndrico, com pilosidade esparsa e sem sulcos; face posterior declivente, com três carenas longitudinais, a do meio mais pronunciada e as laterais pouco distintas.

Genitália da fêmea ( Fig. 49View Figs). Gonocoxitos 8 pontuados, no mesmo plano que as demais placas genitais; margem posterior recortada próximo ao bordo sutural ecom projeção afilada pronunciada. Gonocoxitos 9 planos e destituídos de carena. Laterotergitos 8 com projeções afiladas pronunciadas, ultrapassando os laterotergitos 9. Laterotergitos 9 afilados, ultrapassando conspicuamente a banda que une dorsalmente os laterotergitos 8.

Distribuição. Brasil (Mato Grosso e São Paulo).

Material-tipo. Holótipo, BRASIL, Mato Grosso: Chapada [ dos Guimarães ], 15°26’S, 55°45’W, 1882-1884, H. Smith col. ( CMNH)GoogleMaps  . Parátipos ., Chapada dos Guimarães , 09.IX.1978, J. Becker col. ( MNRJ)  ;, São Paulo: Santo Antônio da Posse ( Fazenda Dona Amélia ), 14.X.1977, I. Sazima col. ( UFRG)  .

Discussão. Edessa cerradensis  sp. nov. caracterizase por apresentaro primeiro segmentodo rostro tão longo quanto as búculas e pelas genitálias do machoe da fêmea: pigóforo com 1+1 escavações profundas na parede ventral da taça genital; bordoventraldopigóforo comrecortecentral em “u”; processos da taça genital sinuosos, castanhoescuros, brilhantes e lisos; décimo segmento sem sulcos e com a face posterior declivente com três carenas longitudinais, a domeio mais evidente; gonocoxitos 8 no mesmo plano que as demais placas genitais, margem posterior com uma projeção afilada pronunciada; gonapófises 9 invisíveis; gonocoxitos 9 sem carena.

CMNH

USA, Pennsylvania, Pittsburgh, Carnegie Museum of Natural History

MNRJ

Brazil, Rio de Janeiro, Sao Cristovao, Universidade do Rio Janeiro, Museu Nacional

UFRG

Brazil, Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Biologia

CMNH

The Cleveland Museum of Natural History

MNRJ

Museu Nacional/Universidade Federal de Rio de Janeiro

UFRG

Instituto de Biologia

Kingdom

Animalia

Phylum

Arthropoda

Class

Insecta

Order

Hemiptera

Family

Pentatomidae

Genus

Edessa