Edessa luteovenulata,

Ely e Silva, Eduardo J., Fernandes, José A. M. & Grazia, Jocélia, 2006, Caracterização do grupo Edessa rufomarginata e descrição de sete novas espécies (Heteroptera, Pentatomidae, Edessinae), Iheringia, Sér. Zool. 96 (3), pp. 345-362: 355-356

publication ID

http://doi.org/ 10.1590/S0073-47212006000300012

persistent identifier

http://treatment.plazi.org/id/03E687C2-4A29-FF8C-FC37-6579FD8E0420

treatment provided by

Valdenar

scientific name

Edessa luteovenulata
status

sp. nov.

Edessa luteovenulata  sp. nov.

( Figs. 13View Figs, 25View Figs, 51View Figs, 58View Figs)

Etimologia. Epíteto alusivo àcoloração da venação do cório.

Descrição. Comprimento 13,1-14,0; largura 7,1-7,9, corpoovalado ( Fig. 13View Figs). Coloração geral verde-clara; cório castanho; pernas e antenas amareladas. Face ventral verde-clara com estrias descoloridas. Cabeça com a superfície superior não-pontuada. Jugas com pequenos sulcos transversais e sem pontuação, arredondadas e curvadas ventralmente no ápice. Tubérculos anteníferos com dente vestigial; primeiro antenômero menor que o segundo, segundo e terceiro subiguais, quarto maior que o terceiro e quinto maior que o quarto. Rostro atingindo a primeira bifurcação do processo do metasterno, com o primeiro segmento tãolongo quanto as búculas; segundo segmento do rostro menor que o terceiro e quarto reunidos; búculas paralelas. Pronoto rugoso, pontuado, brilhante, com os ângulos ântero-laterais armados com umpequeno dente. Margens ântero-laterais retas, íntegras e levemente emarginadas. Ângulos umerais nãodesenvolvidos. Cicatrizes do pronoto subcalosas e nãopontuadas. Escutelo brilhante, com ápice levemente acuminado, com pontuação maisfina que o pronoto. Cório fosco, castanho, com pontuação mais fina e densa do que o resto do corpo; veias amareladas; margem costal do cório com pontuação grosseira. Membrana do hemiélitro brilhante, castanho-clara. Superfície ventral do pronoto rugosa e pontuada. Mesosterno pontuado, com uma carenamediana baixa queavança até as coxas anteriores. Processo metasternal mais longo que largo, achatado, liso e levemente piloso; bifurcação anterior do processo metasternal divergente, com os ápices evanescentes, atingindo o terço medianodo mesosterno e acomodando o quarto e parcialmente o terceiro segmento do rostro. Área evaporatória rugosa, fosca e com a mesma cor da face ventral; peritrema ostiolar atingindo 3/5 da largura da metapleura. Conexivo com apontuação concolor muito fina e densa. Ângulos póstero-laterais do conexivo e posteriores do sétimo segmento pouco desenvolvidos e agudos. Face dorsal do abdome castanho-escura; superfícieventral com pontuação muito fina e esparsa. Tricobótrios externos à linha dos espiráculos.

Genitália do macho ( Fig. 25View Figs). Pigóforo retangular em vista dorsal; abertura dorso-posterior, ângulos póstero-laterais arredondados; superfície ventral ( Fig. 58View Figs) comsulcos e elevações; bordo ventral comrecorte central em “u” aberto. Pigóforo com 1+1 escavações pouco profundas na parede ventral da taça genital. Parâmeros com cabeça mais pé geniculados, sendo a cabeça voltada para a região anterior e a face ântero-lateral escura, com textura diferenciada e direcionada para o processo da taça genital. Processos da taça genital quadrangulares, bem visíveis, castanho-escuros, situados junto ao bordo dorsaldo pigóforo. Décimo segmento cilíndrico, com um par de sulcos rasosrecobertos porpêlos ea face posterior levemente truncada e sem carenas.

Genitália da fêmea ( Fig. 51View Figs). Gonocoxitos 8 pontuados, no mesmo plano que as demais placas genitais, com uma área elevada iniciando juntoao bordo sutural e se estendendo em curva até próximo o bordo posterior; margem posterior em arco, com recorte na metade apical do bordo sutural; projeção afilada do bordo posterior ausente, deixando visíveis as gonapófises 9. Gonocoxitos 9 planos, destituídos de carena. Laterotergitos 8 com projeções curtas, levemente mais longas que os laterotergitos 9. Laterotergitos 9 com as extremidadesarredondadas e subiguais ao bordoposterior da banda que une dorsalmente os laterotergitos 8.

Distribuição. Brasil (Mato Grosso).

Material-tipo. Holótipo, BRASIL, Mato Grosso: Chapada [ dos Guimarães ], 15°26’S, 55°45’W, 1882-1884, H. Smith col. ( CMNH).GoogleMaps  Parátipo, mesmos dados do holótipo ( CMNH)GoogleMaps  .

Discussão. Edessa luteovenulata  sp. nov. diferencia-se por apresentar: cório castanho, fosco, com as veias de coloração amarelada e margem costal com pontuação grosseira da mesma cor que o cório; tricobótrios externos à linha dos espiráculos; processos da taça genital quadrangulares, castanho-escuros e bem visíveis; décimo segmento com um par de sulcos rasos recobertos por pêlos ea faceposterior levemente truncada e sem carenas e gonapófises 9 visíveis.

CMNH

USA, Pennsylvania, Pittsburgh, Carnegie Museum of Natural History

CMNH

The Cleveland Museum of Natural History

Kingdom

Animalia

Phylum

Arthropoda

Class

Insecta

Order

Hemiptera

Family

Pentatomidae

Genus

Edessa